quinta-feira, 7 de março de 2019





Memórias do carnaval.

No domingo do carnaval levei minha filha a matinê do clube, e não estava tão cheia quanto ao dia anterior. Tem a área da balada onde jovens e adolescentes gostam de ficar.Ela encontrou as amigas e lá ficaram.
 Neste dia como mencionei estava  bem legal, não estava lotado. De vez em quando  ia lá ver se estava tudo bem e dançar um pouco também pois adoro.
 Vi  pais dançando junto com seus filhos, uma cena meio rara hoje em dia, pois é mico. Lá pelo final eu e uma amiga mãe ficamos na lateral dançando, digo se esbaldando  mais perto de nossas filhas.
 O dj romarinho comandava a festa quando deu uns recados muito  bons para a molecada,,,falou sobre a importância de deus, da família e dos amigos, e pediu aos jovens que ali estavam para abraçarem seus amigos,,,foi lindo de ver. Logo depois nossas filhas vieram nos abraçar também, e minha filha me falou ao ouvido, mãe tinha que vir abraçar minha melhor amiga. Ah desmontei de alegria né. Depois essa minha amiga me mandou o vídeo desse momento de abraçar as amigas e vi que minha filha tinha dado a idéia de abraçar as mães. 
Com esse acontecimento reforço meus pensamentos, que dentre meus erros e acertos estou no caminho certo na educação e comunicação com ela. Que  o amor e dialogo são alicerces neste momento de transição. Agradeço a deus a oportunidade de ser mãe deste ser de luz que tanto faz eu aprender e evoluir, e assim vamos nessa caminhada juntas de transformações e descobertas.
 Te amo minha filha.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019



Aprendizados de 2018










A meta de 2018 foi ser o ano da AÇÃO.
 Mudança de horário da Carol me levaram a crer que minha rotina seria muito mais produtiva..que faria muita coisa naquele espaço de tempo..nossa que minha vida mudaria totalmente logo de cara..tudo simples..fácil e indolor.
 Só que não foi bem assim. Não temos o controle de tudo ..existem os imprevistos, o que não está planejado justamente para te ensinar algo. Perto do fim do ano não estava contente pois alguns projetos não estavam finalizados e estava dando o ano como download incompleto. Mas a tempo percebi  que não.. o ano foi realmente da AÇÃO e muitas..
Entendi que ações e finalizações são coisas distintas A verdadeira mágica está no processo, na caminhada e não na chegada somente. 
Sai da minha zona de conforto e adiantei muitos projetos que nunca tinham saído da minha mente e hoje estão no forno assando para ser liberado em 2019.
 Aprendi que Não espere o momento perfeito para realizar algo..pois ele não existe.
 Vá com medo, mas vá . Agradeça tudo sempre.
 Muitos que te julgam e criticam gostariam de ter a sua coragem e estar no seu lugar. Aprenda a dizer não ...até para os filhos. Se valorize. Aprenda a lidar com a ansiedade. Saber respirar é fundamental. Seja positiva. Reclame menos. Você recebe o que emana para o universo. 
Pratique a aceitação e o perdão.
 Sou muita grata por esse ano que me mostrou que posso ser o que eu quiser, que posso dar a volta por cima nas situações difíceis e que posso sempre aprender mais e mais e fazer a diferença. #grata2018 #vem2019 #gratidao #aprendizados #2018anodaacao #maternidadereal #maternidadeleve

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

As mães da atualidade








As mães da atualidade.

A maternidade de hoje não é igual a de nossas mães.
Antes a vida era mais simples, descomplicada, instintivo sem  tantos julgamentos.
Hoje vemos tantas comparações, cobranças entre nós mesmas.
Quem é a melhor mãe?
Quem teve parto normal ou cesárea? Quem amamentou ou deu mamadeira?
Quem trabalha fora ou fica em casa? Quem é mãe mais jovem ou mais madura?
E quem optou por produção independente, vai dar conta? E a mãe separada vai aguentar o tranco? E a mãe que tem babá, será que não quer cuidar do filho? E aquela que  o filho faz pirraça no meio da rua, nossa será que não consegue dar limites?
Quem é a perfeita?
É uma competição, que não deveria existir jamais. O que tem que imperar entre nós é o amor, respeito, amizade, cumplicidade, sororidade....
Cada uma de nós tem sua própria história e sabe de  suas dores e amores.
Menos julgamento e mais acolhimento.

Juntas somos mais fortes e podemos contribuir para um mundo melhor para nossos filhos e passar esse exemplo de união e amor para eles

Texto by Ana Yuan


quinta-feira, 5 de julho de 2018

A perfeitinha - by Carol Yuan






Resultado de imagem para menina perfeitinha

 O texto abaixo foi escrito pela minha filha, é  um desabafo, e que serve para  ficarmos atentos. Muitas vezes nós pais, e até os amiguinhos cobram muito,,, a inteligente não pode tirar menos de 10, é sempre quietinha , não pode nunca fazer  nada e por ai vai....



Ser a perfeitinha.
 Na teoria é  uma ótima posição mas na verdade não é,
todos esperam que você não erre,sendo que você é um ser humano
igualmente capaz de cometer erros. Você sempre será a inteligente e
nerd, e não poderá tirar menos que alguém que logo irão  estranhar.

Sempre tem que ser calma, compreensiva e educada, sendo que também tem
seus momentos tristes, ou de raiva. Sempre terá de ser condescendente,
sendo que quando não é as pessoas ficam com raiva. Não poderá faltar com a palavra
em nada que você falar.
 Todos, ou melhor quase todos esperaram que você
seja perfeita, mas com sorte você terá um ótimo apoio em casa como eu
tenho, que é de extrema importância que irá dizer que não precisa
atender a tudo e todos, que poderá ser simplesmente você,  sem rebaixar e mudar
para agradar os outros.
 E eles tem razão.... quem realmente gostar de você
irá sempre estar com você.

Por isso por mais que alguma pessoa ao seu redor seja de alguma forma
diferente assim, não coloque essa carga em suas costas pois muitas vezes
não vão aguentar.  Por  mais que ela pareça forte o tempo todo, se
não a conhece muito bem, sinto lhe dizer que não é forte o tempo todo, ela pode ser frágil em alguns momentos.
 Claro que reconhecimento é bom, mas a pressão não.

By Carol Yuan


quinta-feira, 14 de junho de 2018

A tal privacidade chegou por aqui

























A tal privacidade chegou por aqui.

 Enfim chegou aqui em casa o pedido de privacidade no quarto, temos até plaquinha colada na porta, mas tudo com conversa, sem imposição.

Ela veio de me perguntar se poderia colocar a plaquinha na porta e eu concordei.
Se queremos que eles nos respeitem, devemos respeitá- los também.
É assim que  os ensinamos, com reciprocidade, uma troca.

Claro que é uma privacidade parcial, combinada. Bato na porta antes de entrar, mas não fica horas direto no quarto.
De vez em quando checo o celular dela, pois o combinado de ter celular nessa idade, é que eu saberia a senha e teria acesso ao telefone. No mundo  que estamos hoje temos que ficar atenta pois o perigo vem de todos os lados. Mas ela é bem tranquila, pois sempre conversamos bastante e combinamos as coisas e tem que ser respeitado essas regras.

Sempre alerto dos perigos que rondam.

Lembro da minha época de pedido privacidade, que foi um pouco mais tardia que a dela, e que não fui atendida(kkkk). Rir para não chorar, mas era outra época e outra educação.

Dentro do quarto, era um mundinho só meu, particular. Hoje em dia com o advento da internet, quando nossos filhos estão fechados em seus quartos, não estão somente num mundinho só deles, eles estão fazendo  parte, conectados a um mundo sem fronteiras e aí que mora o perigo. Então vamos praticar a privacidade parcial ou privacidade vigiada,  com base em muito diálogo sempre.

E  o pedido de privacidade já chegou até aí?





sexta-feira, 1 de junho de 2018

Mãe de fases





Mãe de Fases










A maternidade é um marco em minha vida, e a maternagem fez toda a diferença na minha evolução como pessoa.

Existe diferença entre maternidade e maternagem.

Maternidade é o laço de parentesco  que une mãe ao filho, gerar, parir, condição biológica.
Maternagem é o cuidado próprio de mãe,  amar, proteger, amamentar, cuidar, ninar. É sempre uma escolha.

“ A maternidade não muda, o que muda é a maternagem “ (Içami Tiba)

E  a partir da minha gravidez comecei a refletir e fazer escolhas sobre o melhor para mim e para a princesa que estava a caminho.

Apesar dos medos, incertezas e desafios do novo papel a desempenhar, também  sentia que dentro de mim já tinha uma mãe a desabrochar e a aprender,que e partir dali minha vida se tornaria mais completa e em constante evolução.

Sim ser mãe é estar em constante evolução, viver um turbilhão de emoções sejam elas boas ou ruins, é ter medos e certezas, sentir raiva e amor, vontade de sumir e estar junto ao mesmo tempo, ter saudades, ser imperfeita buscando a perfeição e ai descobrir que ser perfeita é só uma paradigma, não existe, o bom  mesmo é buscar seu melhor dentro da sua imperfeição e está tudo  bem.

Faz parte não dar conta de tudo, errar, pedir ajuda. Não existe certo ou errado. Existe a vontade de dar certo, fazer o melhor que pode.

Não deve existir julgamentos, cada uma faz o que acha melhor, devemos sim nos unir e  sempre ajudar umas as outras, pois ser mãe é desafiador ao mesmo tempo
Ser mãe é entender que precisamos ser diferente em cada fase da criança, e como isso é importante.

A mãe que fui quando a Carol nasceu a quase 12 anos atrás, já evoluiu,
Me sinto num vídeo game, sempre  passando de fases, chegando a novos desafios do jogo, descobrindo novos  tesouros, ultrapassando novos obstáculos e aprendendo sempre.
Fácil  não é mesmo, difícil  demais muitas vezes. Mas se ficarmos paradas, ficamos obsoletas.

No mundo que vivemos hoje  as informações  chegam rápidas demais às nossas crianças  por todos os lados.

E cada fase nossos filhos nos propiciam tantos aprendizados.

Não devemos ficar nos lamentando das fases  estarem acabando. Claro que tenho saudades dela bebezinha, quando era totalmente dependente de mim, mas vejo hoje uma companheira, apesar de muitos desafios que sei que ainda estão por vir essa tal da pré adolescência está proporcionando tantos aprendizados, como eles dizem por ai estou fazendo um upload.

Curta cada fase do seu filho, não lamente, aproveite . Cada fase tem seus ônus e bônus com certeza.

Seja uma mãe de fases e curta o jogo da vida e do crescimento do seu filho.

terça-feira, 22 de maio de 2018

Brinquedo de estimação - Um porto seguro para teens











Minha filha Carol outro dia teve que fazer um texto para a escola sobre seu brinquedo favorito.
De repente ela saiu do quarto com lágrimas nos olhos, e eu não entendi nada.
Foi quando ele veio me relatar, que estava escrevendo esse texto e lembrou da girafinha que ela tinha, e que sentia muita falta dela.

Era um bichinho fofinho da marca Fom ( isso não é publi) que ela ganhou por volta dos 4/5 anos, ela sempre dormia com a girafinha, era sua companheira. Anos depois o bichinho já estava gasto, sujinho, já tinha perdido seu formato toda durinha e fofinha e a convencemos de doar  a uns anos atrás. Mas não que fosse da vontade dela de desfazer. De vez em quando ela lembrava dela com carinho e saudades.

Ao escrever o texto, e falar da girafinha, várias emoções  vieram à tona.
Que tudo estava passando tão rápido, estava crescendo, conhecendo coisas novas e deixando outras para trás e isso assusta, causa incerteza.

É complicado para eles também. São mudanças corporais, linhas de pensamento, formas de enxergar o mundo e as pessoas, e num primeiro momento isso tudo assusta.
E aí ela me falou que sentia muita falta da girafinha , que ajudava ela nesses momentos. Era um alento, um porto seguro, uma ligação direta e afetiva com as boas lembranças da infância.

Era um objeto que poderia amenizar mais essa transição.
Olha que temos muita cumplicidade, mas nem tudo eles conseguem verbalizar, e as vezes precisam  somente se agarrar a  algo  que traga segurança e boas recordações.
Na verdade, não foi iniciativa dela dar a girafinha naquela época.

Foi então que tive a sensibilidade de perceber naquele momento a importância desse brinquedo na situação da pré adolescência, e resolvi procurar na internet e fazer uma surpresa para ela.
Claro que os brinquedos dados, não tem reposição, mas esse tinha, um significado e um propósito.

Consegui comprar pelo site. Num dia a noite ela já ia se deitar quando pedi para fechar os olhos e entreguei a girafinha.

A reação foi linda e emocionante, primeiro ela deu um grito de felicidade e um sorrisão junto com o abraço na girafinha, logo em seguida vieram as  lágrimas de emoção e agradecimento de ter de novo  a sua cúmplice para estar agarradinha em  todos os momentos, sempre passando uma energia  e um alento quando necessário. A foto acima mostra ela ainda emocionada logo após ao receber a girafinha

A querida girafinha, chegou novinha em folha e brinquei que ela estava esse tempo todo num spa e voltou recauchutada, toda esticadinha e cheinha e fez até implante capilar ( pois a antiga não tinha os cabelinhos nas costas).
Eu fiquei emocionada junto com ela, pois vi que foi muito importante o retorno desse brinquedo.

Essa transição envolve muita emoção, mudanças físicas e psicológicas. Falo que tem a dor do crescimento  que é física, mas tem a dor emocional também.
Quando ela  estava terminando de escrever o texto e escreveu a palavra tchau, aí a emoção venho a tona. Mas conversei que podemos visitar as várias fases da nossa vida quando quisermos, nada é definitivo. Ela está numa fase como se fosse na corda bamba, não é mais aquela criancinha, nem a adolescente total. Tudo é um processo que tem seus ônus e bônus.

E vamos prestar atenção nos nossos pré adolescentes, nas emoções que estão passando, mesmo que não concordemos com tudo, mas temos que ouvir e validar seus sentimentos.

Abaixo estão as fotos da cartinha que deflagou todo esse processo. A feira da escola foi esse fim de semana passado dia 19/05/2018, e quando escrevi o texto acima não tinha lido essa cartinha ainda. E também quando ela escreveu a cartinha não tinha idéia de que iria ganhar a girafinha. A cartinha fala muito de despedida, e da importância dela na vida da Carol.

Vi na feira da escola muitas cartinhas e brinquedos, foi um trabalho quase terapêutico, pois muitas crianças colocaram suas emoções ali no papel, quase uma catarse.
Esses objetos/brinquedos ajudam nessa transição, nessa montanha russa de emoções e descobertas.

Muitas vezes pela correria do dia a dia passamos batido pelo simples, pelo pequeno. Então vamos olhar ainda mais para nossas crianças e as emoções que elas carregam dentro de si e que nem sempre conseguem externar